Novo relatório do IPCC mostra efeitos preocupantes do aquecimento global em todo o planeta

Estudo alerta que alguns impactos ocasionados pelas mudanças climáticas, como o aumento do nível do mar, serão irreversíveis por centenas ou milhares de anos

Por Ana Clara Faria

Dispersão de fumaça na atmosfera
Foto por Pixabay em Pexels.com

Sim, o aquecimento global é real, está diretamente relacionado à atividade humana e seus impactos tendem a ser cada vez maiores — em alguns casos, irreversíveis. É o que reforça o último relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), divulgado nesta segunda-feira (09).

O estudo explica que nos últimos 50 anos a temperatura da superfície do planeta aumentou, devido à ação humana, em um ritmo inédito nos últimos, pelo menos, 2 mil anos. Uma das principais atividades humanas relacionadas a esse aquecimento é a emissão dos chamados gases de efeito estufa, dentre eles o dióxido de carbono (CO2).

O relatório aponta que as concentrações de CO2 na atmosfera, atualmente, são as maiores em um período de pelo menos 2 milhões de anos. As concentrações de metano e óxido nitroso, que também fazem parte do grupo dos gases de efeito estufa, são as maiores em pelo menos 800 mil anos.

Segundo o relatório, a ação humana — principalmente a emissão de gases de efeito estufa — tem causado um aquecimento na temperatura global de aproximadamente 1,1ºC em comparação com os níveis pré-industriais (entre os anos 1850 e 1900). O IPCC também prevê que, se mantida a tendência atual de aumento da temperatura, o planeta atingirá a marca de 1,5ºC de aquecimento entre 2030 e 2052.

O relatório observa que os impactos das mudanças climáticas serão maiores se o aquecimento for de 1,5ºC acima dos níveis pré-industriais, mas menores do que um cenário de aumento da temperatura global em 2ºC. Atingindo 1,5ºC, a previsão dos especialistas é de aumento das ondas de calor, aumento na duração das estações quentes e redução na duração das estações frias.  

“A evidência é irrefutável: as emissões de gases de efeito estufa estão sufocando nosso planeta e colocando bilhões de pessoas em perigo” (tradução livre), afirma o secretário-geral da ONU, António Guterres.

Efeitos extremos

O IPCC alerta para os perigos do aquecimento global tanto no futuro quanto no presente, citando o aumento nos últimos anos, em diferentes partes do mundo, na ocorrência e na intensidade de eventos extremos, como ondas de calor, secas, ciclones, chuvas intensas e enchentes, derretimento de geleiras, entre outros.

Iceberg
Foto por Guillaume Falco em Pexels.com

Aumento no nível do mar

Outro efeito das mudanças climáticas destacado pelo relatório é o aumento do nível médio do mar: no último século, a taxa de aumento tem sido maior do que em qualquer outro século pelo menos nos últimos 3 mil anos. O aumento do nível dos oceanos também está associado a catástrofes ambientais e prejuízos a diferentes setores da sociedade, colocando em risco imediato populações de regiões costeiras, por exemplo. 

Ainda segundo o estudo, o aumento no nível do mar é um dos efeitos do aquecimento global que continuarão existindo nos próximos séculos ou milênios.

Zerar emissões de CO2 é uma das recomendações

De acordo com os especialistas que contribuíram para o estudo, a temperatura do planeta pode ser estabilizada entre 20 e 30 anos se forem feitos esforços significativos e imediatos de redução na emissão de gases de efeito estufa. “Nós devemos decididamente agir agora para evitar uma catástrofe climática” (tradução livre), observa Guterres.

A recomendação é que as emissões de CO2 sejam reduzidas até que sejam zeradas. Em outras palavras, o saldo entre o que é emitido na atmosfera e o que é reduzido ou absorvido deve ser zero. Além do CO2, os especialistas também recomendam a diminuição das emissões de outros gases estufa, principalmente o metano — que corresponde a cerca de 16% do total de emissões de gases de efeito estufa no mundo.

“Nós temos agora uma visão muito mais clara do clima do passado, do presente e do futuro, que é essencial para entendermos para onde estamos indo, o que pode ser feito, e como nós podemos nos preparar” (tradução livre), afirma Valérie Masson-Delmotte, copresidente do grupo de trabalho responsável pelo relatório recém-divulgado pelo IPCC.

O relatório divulgado nesta segunda-feira é a primeira parte do Sixth Assessment Report do IPCC, cuja versão completa tem previsão de lançamento para 2022. Esta primeira parte contou com a contribuição de 234 cientistas de 66 países.

Saiba mais sobre o último relatório do IPCC aqui

Leia outras matérias do Info Sustentável:

Como a falta de conservação da água afeta diferentes setores da sociedade?

No Dia Mundial da Água, em 22 de março, foi divulgado o relatório “United Nations World Water Development Report (WWDR) 2021”, publicado pela UNESCO em conjunto com a UN-Water. Fique por dentro dos principais pontos do relatório e entenda quais são os impactos da falta de conservação e acesso à água no mundo. Continuar lendo Como a falta de conservação da água afeta diferentes setores da sociedade?

Alunos do Colégio Estadual do Paraná, em Curitiba, participam de aulas virtuais sobre desenvolvimento sustentável

Alunos do Colégio Estadual do Paraná, em Curitiba, participam de aulas virtuais do projeto ODS School, realizado pelo Youth Action Hubs Brasil, com o objetivo de conscientizar jovens sobre a Agenda 2030 e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU Continuar lendo Alunos do Colégio Estadual do Paraná, em Curitiba, participam de aulas virtuais sobre desenvolvimento sustentável

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s